José-Kentenich.jpg

PADRE JOSÉ KENTENICH

Em 1885, nasce Josef Kentenich em Gymnich, perto de Colónia, Alemanha. Em 1894 entra no orfanato de S. Vicente, em Oberhausen. Nessa altura, a sua mãe consagra-o a Nossa Senhora. José, de oito anos de idade, acompanha, muito conscientemente, esta consagração. Maria assume agora a sua educação e cuidado. - " O que sou e o que em Schoenstatt surgiu devo-o à Mãe de Deus", declara assim o Padre Kentenich, ao lançar um olhar retrospectivo sobre a sua vida. 


Em 1904, entra na sociedade dos Palotinos, onde faz o Noviciado. Faz os estudos de Teologia em Limburgo. Durante anos, tem de suportar uma grave crise espiritual, que o leva quase ao esgotamento das suas forças. José Kentenich, intelectualmente muito dotado, é atormentado pelas perguntas: - "O que é a verdade? Posso conhece-la?" Mas o seu amor a Maria não é atingido por essas dúvidas e incertezas que o afligem. Através da Mãe de Deus, encontra a saída da sua crise espiritual. De um modo extraordinariamente profundo, Ela torna-o participante do Seu amor a Deus e à humanidade. 

Em 1910, recebe a Ordenação Sacerdotal e começa a sua actividade como professor no Seminário Menor da sua comunidade, em Ehrenbreitstein. Desde 1912, actua como director espiritual junto dos alunos do novo Seminário Menor em Schoenstatt/Vallendar. Verifica-se que o Padre Kentenich é um pedagogo muito dotado. O seu objectivo pedagógico é claro e entusiasma os alunos a se tornarem personalidades firmes e livres, e a viverem santamente no meio do mundo moderno. O Padre Kentenich conduz os alunos a uma séria auto-educação e oferece-lhes, sobretudo, Maria, com Mãe e Educadora. 


A 18 de Outubro de 1914, juntamente com alguns alunos, arrisca o primeiro passo para a fundação do Movimento de Schoenstatt. Numa pequena capela em Schoenstatt, selam uma aliança com Maria - Aliança de Amor. Ela contém o pedido à Mãe de Deus, que esteja particularmente presente naquela Capela e actue como educadora do homem livre. Aqui surgirá um lugar de peregrinações e de graças para muitas pessoas, assim confiam o Padre Kentenich e os jovens. Como contribuição para este objectivo, eles mesmos querem oferecer uma vida radical de fé e de compromisso por Schoenstatt."Nada sem Ti, nada sem nós" é a fórmula breve para a intensa comunidade de caminho com Maria, que agora começa. 


A ideia predilecta da hora da fundação, aos poucos torna-se realidade. A Capela de Schoenstatt é hoje lugar de origem de um Movimento internacional para homens e mulheres, crianças e jovens, famílias e sacerdotes. Entretanto existem cerca de 180 Santuários de Schoenstatt em mais de 30 países do mundo. Para eles, peregrinam inúmeras pessoas, que imploram de Maria a graça de realizarem a sua vocação cristã em todos os estados de vida, na Igreja e na sociedade. 


Entre 1941 e 1945, o Padre Kentenich é prisioneiro dos nacional socialistas, primeiro na prisão de Coblença, depois no campo de concentração de Dachau. Também aí continua a trabalhar, intrepidamente, na missão da sua vida, anunciando aos homens o amor misericordioso de Deus, e ajudando-os, a que eles mesmos, com o auxílio de Maria , se tornem pessoas de um grande amor. Muitos prisioneiros, no meio do inferno de Dachau, puderam, através do Padre Kentenich, experimentar uma grande proximidade com Deus.


Entre 1947 e 1948, o Padre Kentenich inicia as suas viagens à América do Sul, África e USA, para cultivar contactos internacionais e ajudar os schoenstattianos desses países, na edificação do Movimento. O seu amor à Mãe de Deus impele-o a trabalhar por eles, à escala internacional.


De 1951 a 1965, a Igreja separa o Padre Kentenich da sua Obra, fixando-lhe lugar de residência em Milwaukee (USA). As autoridades eclesiásticas competentes examinam a sua pessoa e a sua fundação. Durante largos anos da sua ausência de Schoenstatt, o Padre Kentenich demonstrou a autenticidade do seu amor à Igreja e a fidelidade à sua Obra.


Na Noite Santa de 1965, regressa a Schoenstatt. No tempo que ainda lhe resta de vida, este sacerdote octogenário trabalha, ininterruptamente, na consolidação interna e externa do movimento de Schoenstatt. Apesar de todos os compromissos, jornadas, retiros e, ainda, do sobrecarregado programa de trabalho diário, a sua preocupação foi sempre a pessoa. A sua profunda união com Deus e a paternal bondade que irradia proporcionam a muitas pessoas fazerem uma ideia do amor de Deus, nosso Pai.


A 15 de Setembro de 1968, o Padre Kentenich é chamado por Deus para a eternidade, pouco depois da Santa Missa, pela primeira vez celebrada na nova igreja da Santíssima Trindade, no Monte Schoenstatt. Agora, ele pode continuar a missão da sua vida de uma forma nova. Que ele, de facto, a realiza, experimentaram-no já muitas pessoas, que se vinculam a ele e a ele se dirigem, nas suas necessidades.